domingo, 2 de novembro de 2008

O Livro Verde do Aiatolá Khomeini


Em 1979, Aiatolá Khomeini assumiu o poder no Irã, no lugar do Xá Mohammad Reza Pahlavi, que era apoiado pelos EUA. Foi a chamada “Revolução Islâmica”, que reorganizou todas as esferas da vida no Irã e marcou o início de uma nova ordem no Oriente Médio, dificultando as coisas para os ianques. Começou aí um confronto que dura até hoje, e na época surgiu um interesse súbito na figura do aiatolá, comparável a Bin Laden depois de 11 de setembro de 2001. Nessa onda, já em 1979 foi publicado para o público ocidental “O Livro Verde dos princípios políticos, filosóficos, sociais e religiosos do Aiatolá Khomeini”, uma compilação das idéias do líder iraniano contidas em seus três livros-chave: “O Reino do Erudito”, “A Chave dos Mistérios” e “A Explicação dos Problemas”, que somam mais de mil páginas e seriam maçantes para o público não-muçulmano (ou para os muçulmanos sem neuroses).

Logo no início da leitura, percebe-se claramente que sua edição foi direcionada pelo “inimigo” ocidental, pois a edição dos temas é visivelmente conduzida no sentido de uma exposição pejorativa e tendenciosa para ridicularizar os ensinamentos do aiatolá – trabalho que não deve ter sido nem um pouco difícil, dadas as excentricidades contidas nas páginas desta “obra”. Pobres árvores que até hoje são sacrificadas para a produção desta baboseira, que serve de lavagem cerebral para uns malucos fundamentalistas, e fonte de gargalhadas para outros como eu.

Com a intenção de ridicularizar os “princípios” do aiatolá, os organizadores do livro verde adotaram a seguinte estratégia: após um breve capítulo inicial onde são expostos os princípios políticos da República Islâmica do Irã (que supostamente seria “constitucional e democrática”, mas de onde a lei provém do Corão, os países ocidentais são ditaduras, as artes são proibidas, os homens e mulheres têm direitos diferentes...), começa a (auto) ridicularização aberta. Nas “citações históricas”, fiquei sabendo, por exemplo, que Sócrates foi um grande teólogo que se refugiou numa gruta para adorar ao Deus único, e por isso foi condenado à morte pelo sultão. Já Platão foi um “grande filósofo, conhecido pelos seus princípios monoteístas e por saber muito de ciência divina. Nasceu no reino de Artaxerxes, filho de Dário(...)”. Já sobre Aristóteles, a coisa fica mais pesada: “Aviceno disse que ninguém jamais conseguiu contradizer as suas teses. Não obstante, mais tarde, o francês Descartes julgou descobrir falhas nelas. Mas os especialistas constatarão facilmente a que ponto as pretensões de Descartes em matéria de filosofia e teologia são infantis e sem fundamento!” Ou seja, descobriram novas fontes históricas que provam que os filósofos gregos eram, na verdade, persas, que os persas, na verdade, eram monoteístas, ou que os gregos, na verdade, eram governados pelo imperador persa, ou que, na verdade, eram governados pelo sultão, que na verdade não era um título de governantes muçulmanos, mas já existia na antiguidade, ou que na verdade os filósofos gregos nasceram depois do advento do Islã. Quer dizer, acho que não entendi muito bem as lições de história do aiatolá, mas pelo menos descobri que Descartes não é nada disso que falam, não fundamentou o pensamento moderno e era, na verdade, só um fanfarrão!

O escrachamento continua nas “citações sociais e religiosas – leis divinas que regem a vida cotidiana”. Uma delas, contida na parte “Da maneira de urinar e defecar”, é a seguinte: “em três casos é absolutamente necessário purificar o ânus com água: quando os excrementos foram evacuados com outras impurezas, sangue, por exemplo; quando algo impuro tiver roçado o ânus; quando o orifício anal ficou mais sujo do que de costume. Fora esses três casos, pode-se lavar o ânus com água, ou limpá-lo com um pano ou uma pedra.” Está escrito exatamente isso, com uma pedra! A lição continua com “não é necessário limpar o ânus com três pedras ou três pedaços de pano, uma só pedra ou um só pedaço de pano bastam. Mas, se se limpa o ânus com um osso ou com coisas sagradas, um papel contendo o nome de Deus, não se pode fazer as orações nesse estado.” Eu juro que é tudo verdade, quem não acreditar que compre o livro e leia com os próprios olhos!

No livro verde, há regras para quase tudo: casamento, sexo, refeições, orações, purificação de coisas, banhos... e seguem-se absurdos lógicos, físicos e morais, que facilmente caem em contradição. Se eu fosse fazer um “melhores momentos”, teria que transcrever quase que o livro todo aqui, mas vamos aos melhores-melhores momentos. Por exemplo, no Irã a homossexualidade é rigidamente coibida, mas encontrei vários furos que, se não chegam a permitir, pelo menos não a proíbem. “A mãe, a irmã e a filha de um homem que tiver sido sodomizado por outro homem, não pode casar com este último, mesmo no caso de os dois homens ou um deles não ser púbere.”“Se o homem sodomizar o filho, o irmão ou o pai de sua esposa após o casamento, este permanecerá válido”. E a sodomia entre homem e mulher também é regrada: “Durante a menstruação da mulher, é preferível o homem evitar o coito, mesmo que não a penetre completamente – ou seja, até o anel da circuncisão – e que não ejacule. É igualmente desaconselhável sodomizá-la.” Se, mesmo assim, o cara não aguentar e dar umazinha, ele tem que doar uma quantia de ouro aos pobres, variável de acordo com qual dia da menstruação ele transou. Mas... “sodomizar uma mulher menstruada não torna necessário este pagamento”. Por que tanta preocupação com a regulamentação da sodomia em um país onde ela é proibida?

Possivelmente existem trechos menos ridículos no original, mas a intenção primordial era agredir o inimigo, não apresentar uma verdadeira imagem do mesmo. Apesar de divertido para nós, com certeza este livro foi mal-entendido por leitores menos críticos e provavelmente gerou mais preconceito em relação a povos muçulmanos do que um real conhecimento sobre eles. Até porque estes “ensinamentos” foram criados pelo aiatolá Khomeini, líder religioso do Irã, não se estendendo à grande pluralidade de povos que têm como religião o Islã. Podem existir muitos muçulmanos que sigam ideias absurdas como as expostas neste livro, assim como cristãos, judeus, budistas, jainis, ou qualquer outra religião, mas mesmo que, para mim, as ideias religiosas não passem de superstição, fraqueza e medo da morte, a grande maioria de fiéis não se baseia em loucos como Khomeini para decidir com qual mão deve limpar o ânus após ir ao banheiro. Sou a favor da publicação irrestrita de qualquer material, seja o livro verde, o Mein Kampf de Hitler ou da bíblia cristã, mas que haja uma introdução crítica para as mentes menos capazes. Parece idiota, mas não subestimemos pessoas que não sabem a diferença entre árabe, turco e muçulmano, pessoas essas que são capazes de colocar um G.W. Bush por oito anos no comando da nação mais perigosa do mundo.

Editora: Record
Páginas: 133
Disponibilidade: esgotado
Avaliação: * * * *

26 comentários:

  1. Não rola uma free e-book version aí, pra galera poder "contemplar" essa "obra"? O Jô Soares mostrou esse livro hoje no programa dele, e leu umas coisas (era em resposta a um lance lá, você deve ter visto), achei interessante no sentido de conhecer as doideiras daqueles radicais.

    ResponderExcluir
  2. caraca, eu to atras desse livro, vi no jö tbm a pouco.

    ResponderExcluir
  3. Depois de ver o programa do Jô também gostaria de ler essas maluquices. Acho que o Jô vai se ferrar com o comentário que fez. Algum maluco pode se sentir religiosamente ofendido. Bem faz o Zarkozy que quer eliminar aquela armadura que chamam de burka das escolas públicas.

    ResponderExcluir
  4. meu na moral, eu acabei de ler uns trexos do livro e nunca vi uma coisa dessas. bem, nao achei nada de mais o que o jô falou, pois temos liberdade de expressao, e podemos falar o que quiser nos dias de hoje. bem, nem tudo rs

    ResponderExcluir
  5. Caracas.. eu vi e to aqui louco por uma versão virtual... parece ser do tipo daquela edição do Edir Macedo.. rs Clássica !

    ResponderExcluir
  6. Quem consegue entender um negócio tão contraditório desse jeito? Loucura. Nada mais que isso. E vou postar como anônimo pois quero este tipo de vida bem longe do Brasil.

    ResponderExcluir
  7. Tem uma galera islamica bem estressadinha por aí! Vão morar nos países dos outros e depois ficam pedindo "A FITA DE VIDEO" pra saber se falaram mal deles. Em alguns países da Europa, por exemplo, acabaram de proibir a exposição de crucifixos em locais públicos PRA NÃO OFENDER OS MULÇUMANOS E SUAS CRIANCINHAS! RIDICULO!! Daqui a pouco vão querer mandar na minha casa também! ABRAM OS OLHOS...


    edgar.abs@gmail.com
    super-critico.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Depois de assistir ao Jô ontm á noite falando sobre esse curiosíssimo livro confesso que me instigou bastanteee!!! Não rola uma free e-book version pra galera interessada sobre este "polêmico" book?? ... E digam NÃO ao fanatismo religioso!!!!!!!

    ResponderExcluir
  9. E só para constar: eu não sou muçulmano, mas também me sinto ofendido pela exposição de crucifixos em repartições públicas. Me sinto ofendido de viver num país onde uma religião, seja lá qual for, é promovida em locais que, em tese, deveriam ser neutros em relação a isso.

    ResponderExcluir
  10. Fernando o Jô, tinha o livro, gostei de ter achado seu blog pois também estou procurando uma versão e-book, pois nas editoras ta esgotado, quanto a crucifixos em locais públicos também sou contra somos um país laico e nem uma religião pode ser considerada melhor que outra.
    Creio que a base da religião muçulmana seja boa, mas o Aiatolá Khomeini é muito doido,bem como o Jô disse, o vinho vinho é impuro mas o ópio e outra erva que não lembro o nome não é, segundo este belo livro, o Aiatolá Khomeini tava doidão quando escreveu esta "obra" ou quem traduziu sacaneou a tradução, o que não acredito muito.

    ResponderExcluir
  11. achei ridiculo a reaçao desse povo querendo a fita da gravaçao do programa do jo,quem eles pensam que sao?gostei do comentario do jo que nao se mata em nome de Deus, mas gostaria de deixar um comentario sobre os EUA tambem nao se mata em nome da lei.

    ResponderExcluir
  12. Eu também quero a fita! Quer dizer, quero o dvd, porque não tenho mais video-cassete. Apesar de já fazer um tempo que não assisto o programa do Jô, porque tenho que acordar cedo para trabalhar e também porque aquilo já encheu o saco faz tempo, gostaria de ver isso que todo mundo está comentando. Procurei no youtube e não encontrei.

    ResponderExcluir
  13. Ainda não vi e não poso falar, mas se algum muçulmano se sentiu ofendido porque alguém falou mal do Khomeini, deve estar equivocado. Os aiatolás, fora do Irã, não exercem liderança alguma sobre a maioria dos muçulmanos do restante do mundo. Primeiro porque eles são líderes xiitas, e pelo que me lembro, acho que só o Iraque tem maioria da população xiita também. E segundo que o Irã apresenta uma boa distância do resto do mundo muçulmano, porque não é um povo árabe (eles são minoria étnica lá). Como eu deixei bem claro na resenha, as opiniões do aiatolá não podem ser tomadas como lei para qualquer muçulmano, apenas para os cegos seguidores iranianos daquela época em que o livro verde foi escrito. Não tenho conhecimento, mas acho muito difícil que muita gente ainda siga isso hoje em dia.

    ResponderExcluir
  14. Mas apesar de todas as barbaridades que vemos em relação à política do Irã e seu presidente perturbado, deve ser um país maravilhoso para se visitar. Teerã é uma cidade assustadoramente cheia de gente, carros e poluição, mas nos confins do país tem cada localidade inacreditável. Está na minha lista de desejos em terceiro lugar, depois de Japão e Turquia, quando eu tiver dinheiro para torrar dessa bela maneira...

    ResponderExcluir
  15. Após saber da existência de tantas baboseiras ficou claro para mim o motivo o qual alguns mulçumanos se tornam homens-bombas. Ficaram com vergonha de seus líderes políticos-religiosos e prefiriram a imolação! Vão plantar batatas.

    ResponderExcluir
  16. Anônimo disse...
    gente vamos falar mais de AMOR, e menos religiao!!!!

    ResponderExcluir
  17. EM NOME DO ALTÍSSIMO
    NADA MAIS RIDICULO DO QUE A PUBLICAÇÃO DESTE LIVRO FALSO E DIFAMADOR. SO IGNARANTES QUE NÃO LERAM NADA SOBRE O AYTOLA KHOMEINI ACREDITAM EM TANTA ASNEIRA. A COMEÇAR POR JO SOARES QUE PROVOU SER UM COMPLETO IGNORANTE POIS QUALQUER TIPO DE DROGA E PROIBIDA NO ISLAMISMO MUITO MENOS UM TEOLOGO COMO O AYTOLA PERMITIR A SUA UTILIZAÇÃO OQUE SERIA O CUMULO DO ABSURDO. RECOMENDO A TODOS QUE QUEIRAM CONHECER VERDADEIRAMENTE O AYTOLA KHOMEINI QUE ADQUIRAM O LIVRO:" O LIDER DA REVOLUÇÃO ISLAMICA AL-IMAM KHOMEINI" QUE PODER SER ADQUIRIDO NO SITE WWW.IBEIPR.COM.BR OU NO SITE WWW.ARRESALA.ORG.BR
    QUE DEUS OS ILUMINE AO SEU VERDADEIRO SABER!

    GAMAL OUMAIRI

    ResponderExcluir
  18. Obrigado por sua opinião, pontos de vista diferentes enriquecem o diálogo.

    ResponderExcluir
  19. o código de hamurabi (babilônia 1.900d.C.) já começou errado, pois nele não havia uma punição severa para o crime do incesto. lá diz que um homem que abusar da filha menor deverá apenas deixar aquela cidade ou povoado e mudar-se para longe. Acostumaram mal o mundo árabe nesse aspecto. O filme "O Caçador de pipas" mostra com bastante clareza essa prática da cultura. Isso vem passando de geração para geração; Osama Bin laden premiou cada "herói" de guerra do atentado de 11 de setembro com uma garota de 4 a 6 anos para casamento, e khomeíne ensina sodomizar esposas novinhas até que cresçam. Na lei de Moisés, por exemplo, o incesto era tratado com maior rigor - o praticante era morto sem misericórdia (levítico 18:9...). E no novo testamento Jesus tem uma sentença bem explícita para pedófilos: "Ai daquele que fizer tropeçar um desses pequeninos, melhor lhe fora não ter nascido ou que lhe amarrasse ao pescoço uma enorme pedra de moinho e o lançasse ao mar do que escandalizar um desses pequeninos" Mateus 18:6

    Esse costume que impregnou o mundo, apoiado pelo próprio maomé deve ser combatido com oração, justiça e denúncia.

    ResponderExcluir
  20. Uma retificação ao último comentário: "O Caçador de Pipas" se passa no Afeganistão, país que não pertence ao mundo árabe, e tanto Bin Laden como Khomeini não são árabes.

    E dois adendos: O que é mostrado em "O Caçador de Pipas", se não me engano, é um caso de estupro entre dois menores de idade, e não pedofilia. Prática comum inclusive na nossa sociedade, visto que personalidades como Pelé dizem publicamente que tiveram sua iniciação com "primos". Não é exclusividade de outras culturas.
    E a maioria dos casos de pedofilia que vemos hoje na mídia não vêm exatamente dos seguidores de Maomé, não é mesmo, Bento?

    ResponderExcluir
  21. Sempre que alguém critica alguma coisa relacionada ao islã aparecem centenas de esquerdopatas tentando falar do cristianismo e dos EUA hahaha

    ResponderExcluir
  22. Deus me livre que esse Khomeini fosse algum exemplo para nós muçulmanos!! Sou muçulmana e deve ficar bem claro que o xiismo é uma seita que surgiu 37 anos após a morte do Profeta Muhammad por discordância política de alguns e assim formaram essa seita, com crenças absurdas JAMAIS ensinadas ou praticadas pelo profeta.

    Quem quiser mais detalhes do que seja o xiismo, por favor, leiam aqui:

    http://www.islamreligion.com/pt/articles/490/

    ResponderExcluir
  23. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  24. Bom, esse pessoal é completamente enlouquecido com tudo que mexa com o pênis deles. Não importa o que seja. As meninas/moças/mulheres que se lasquem. Como todas as religiões, essa é só mais uma cheia de preconceitos e idiotices. O complicado é que a violência come solta e pobre das meninas pequenas. Sou totalmente anti-islamismo e tudo que ele representa. Não vou ofender, mas não os quero na França (país do meu marido e para onde pretendo me mudar). Eles reclamam de tudo. Se não estão felizes, acho que deveram ficar em seus países de origem. Buscam uma vida melhor, mas vivem cuspindo no prato que estão comendo e atormentando a sociedade com ideias que só fazem sentido para eles. A porta da rua é serventia da casa.

    ResponderExcluir